quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

Atire a primeira pedra quem nunca pecou

E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério. E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio acto, adulterando. E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra. E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela. Joao 8:3-7

O ano 2010 se foi a menos de uma semana. Para muitos, incluindo a minha pessoa, 2010 é um ano para esquecer. É um ano para esquecer porque o custo de vida atingiu um pico assustador e isso foi suficiente para deixar bem furado os bolsos de muitos, já a bastante tempo esburacados. Aliás foi o elevado custo de vida que nos conduziu ao tenebroso 1 e 2 de Setembro.

Em 2010, foi também um ano negro no campo de debate, aqui na blogsfera. Sim, passamos quase todos os doze meses envolvidos em mordidelas ruidosas, que só contribuiram para escangalhar todo um saboroso e construtivo debate que aqui fluia antes da euforia eleitoral de 2009. E quanto a mim, a forma apaixonada e descuidada como nos envolvemos e ou interpretamos o corre-corre eleitoral de 2009 representou um marco negativo e que evenenou todo um sadio debate na nossa blogsfera. É que durante todo 2010, na maioria das vezes, postavamos ou para denegrir ou para exaltar uma determinada cor política.

Em 2010, foram aprimoradas as estrategias “escovistas”. Todo mundo tentava mostrar uma cara perfumada e simpatica ao seu suposto idolo político. Como tal, nem que o idolo fosse achado com a boca na botija, o escovador fingia nao ter visto, nem que para tal tivesse que criar condiçoes para todo mundo questionar a sua lucidez, seja academica ou de outra indole. Em 2010 só se escovava, e alguns mais gulosos e avarentos, prefiriam engolir toda a bota do idolo para que os outros nao tivesse a acesso a ela.

Por causa da pobreza do debate que existia na nossa blogsfera, muitos dos que a ele nao se reviam, enfiaram-se num assustador silencio, como se de avestruzes se tratassem. Muitos foram os bloguistas que viraram as suas atençoes para outros pontos onde podessem achar um ar puro e sadio para expressar as suas ideias.

Em 2010, a minha Matola continou orfã. A nossa edilidade continuou gatinhando e muito aquém das expectativas dos municipes. As estradas continuaram esburacadas, a resposta as solicitaçoes dos municipes, mormente no campo de licenciamento de DUATs continua assustadoramente lento. O lixo continua em quantidade industriais, aliás em muitos bairros nem se conhece a cor do carro da salubridade, apesar de mensalmente o municipe contribuir para os cofres municipais.

Uma boa parte do simples cidadaos também aproveitou 2010 para dificultar ainda mais a vida dos governantes, ora deitando o lixo em locais ou momentos inadequados, ora destruindo ou removendo os recipientes deixados pelo municipio para nele se depositar residuos solidos. Outras pessoas, adoptaram as mais bizaras artimanhas para nao pagaram as suas obrigaçoes enqunto municipes, refiro-me as variadas taxas devidas pelo cidadao. Outros municipes ainda, ao invez de contribuirem no combate ao crime, mediante a denuncia dos meliantes à policia, preferiram protege-los e assim dificultar ainda mais os esforços vizando garantir a segurança de todos nós.

Nao posso, de maneira nenhuma, terminar este post sem dizer bem alto que, foi em 2010 que a EDM assegurou a iluminaçao pública a quase todos bairros da nossa Matola, tornando facil a nossa vida nocturna enquanto municipes e dificultando a daqueles que se valiam da escuridão para assaltar e ou violar estudantes e trabalhadores a caminho das suas casas.

Em suma, 2010 foi um ano cheio de coisas ruins. Contudo, nao me parece util neste momento tentar atirar pedra a quem quer que seja. Aliás, em 2010 todos nós, governantes, academicos e cidadaos comuns contribuimos de uma e doutra forma para que 2010 fosse o que acabou sendo. Útil porém, é todos nós aprendermos com os nossos erros e procurarmos assegurar que 2011 seja um ano diferente e que no seu final todos nos possamos orgulhar pelos nossos feitos. A todos amigos e visitantes deste espaço, um bom 2011.

E desta forma anuncio o meu regresso a blogsfera.

12 comentários:

Reflectindo disse...

Bom regresso!

Um abraço

Jorge Saiete disse...

Abraço retribuido, meu caro irmao

Mzimu wa Akayinga disse...

Boas vindas Ilustre. Pensei que tambem fosses um dos arquitectos do silencio na blogsfera. Parabens a Ximbitane que a unica perseverante! Eehhhh, mais nao disse e tendo dito, muito obrigado.



Que 2011 seja o melhor!!!

Julio Mutisse disse...

Bom ano, bom regresso.

Os escovas... prefiro nao me meter nesse debate.

Tenho para mim que somos todos parte do processo governativo. Os nossos governantes sao no em nosso nome, postos no poder por nos para dirigirem o pais/municipio de acordo com um "guiao" com o qual, em principio, concordamos (digo em principio por me lembrar do debate do nosso estagio democratico e de saber se escolhemos pessoas ou programas. Mas isso eh outro debate). Os governantes formulam politicas que visam responder aos anseios do povo... na sua aplicacao ha que contar com toda a gente.

Falo lhe como cidadao. Matolense. Mentiria se lhe desmentisse sobre o lixo; se dissesse que as estradas estao tao boas qnt a EN4. Continua sendo um grande desafio colocar as estradas transitaveis todo o ano; continua sendo um desafio a recolha de residuos solidos. Um desafio de todos que requer accoes de todos.

Provavelmente eh facil falarmos da "orfandade" do municipio no que tange aos residuos solidos. Ja diz o Elisio Macamo no texto que publico no meu blog: ""A conversa só é possível quando os interlocutores estão preparados a questionarem as suas próprias posições." Questionemo-nos, qual o nosso papel/responsabilidade na questao dos residuos solidos? Somos meros "assistentes"? Nao, nao somos. Temos um papel que ultrapassa o simples acto de pagar taxa de lixo (um problemao para aqueles que nem se quer beneficiam da recolha municipal de lixo) e toca a responsabilidade de seguir o calendario estabelecido para o deposito de residuos solidos feito de acordo com a capacidade (reduzida)do municipio de prover tais servicos.

A nossa responsabilidade deve ir ate a recusa em assistir impavidamente a pessoas que cavam a terra batida para colocar tubos de agua a 10 cm que depois furam e dao cabo das estradas.

A nossa responsabilidade deve ir ate ao exigir que os servicos devam ser melhor prestados. A nossa responsabilidade deve ir ate ao interpelar dos servidores publicos no sentido de melhorar conscientemente certas coisas.

O pais como um todo e o nosso municipio em particular tem o desafio de calibrar a sua maquina administrativa no sentido de responder aceleradamente aos anseios dos cidadaos. Alias, tem se dito que uma maquina demasiadamente burocratica e lenta PODE abrir portas a corrupcao. Temos portanto, como cidadaos, procurar conhecer as razoes da demora dos servicos e propor solucoes a curto medio ou longo prazo para melhorar as coisas.

Assim, julgo eu, estaremos a prestar um servico a nacao como cidados conscientes.

Os desafios sao de todos.

Anónimo disse...

Mutisse, o nosso Estado infelizmente NUNCA vai responsabilizar os seus cidadãos. Propalamos uma economia de mercado e agimos como se estivéssemos na economia centralmente planificada. Agimos como se estivéssemos na época do Estado Papá. Como é que um agente governamental pode garantir que não haverá ruptura de stocks de determinados produtos? Absurdo. Só possível quando o Estado é providente… passamos a vida a contrariar todos os princípios do mercado.
Portanto se tenho que puxar agua do fornecedor privado para minha casa porque não cavar a estrada. Preciso de agua, quem me vai pôr em causa? Se a função do Concelho Municipal é recolher lixo porque tenho que ter calendários, horários etc? Tiro o lixo quando me apetece e deito onde quero. Simango, Nhancale, Tinga e outros que o recolham. Seja onde for que o coloque. Isto para dizer o que? O cidadão continua a olhar para os poderes instituídos como o único ente com deveres e não assume os seus no devir colectivo e como há um deficit de responsabilização de ambos os lados continuamos nesta. Há que mudar.
As nossas cidades andam sujas sim. Não é só por orfandade de liderança ao mais alto nível. É também por defeito de cidadania da nossa parte. É pela nossa incapacidade de ver que a casca de banana que deitamos em qualquer sitio incluindo garrafas de cerveja vazias que deitamos janela a fora. Portanto, em muito do que podemos exigir ao Estado e/ou as autarquias tem muito da nossa acção a condicionar. Quando exigimos a limpeza das nossas cidades temos que ter o farol orientador nas nossas acções.
Falando de lixo nas cidades retomo a questão da taxa de lixo que, na visão do Mutisse é um problemão. E é no de facto. E o nosso deficit de cidadania manifesta-se GRANDEMENTE nesta questão. Porque razão o cidadão de Guava, Mathlemele, Intaka, Singhatela,Magoanine etc continua a ACEITAR pagar a taxa de lixo se não recebe a contrapartida dessa taxa que é a recolha do lixo pelo Município? Porque razão não pedem, esses cidadãos, uma providencia cautelar para a interrupção do pagamento da taxa de lixo até que a recolha de lixo seja estendida aos seus bairros? O desconhecimento das leis e dos nossos direitos está a beneficiar os infractores: os Municípios que beneficiam do dinheiro que pagamos sem obtermos a contrapartida recolha de lixo nos nossos bairros (salvo se acharem que devemos nos achar satisfeitos por ver outros pontos das nossas cidades limpos).

Jorge Saiete disse...

Meu mano Bihale, como vai? o silencio já terminou e estou de volta e com muita energia para denunciar aqueles que impiedosamente destruiram o nosso Kudeka lá na zona do malambi e Khongwe

Jorge Saiete disse...

Julio, melhor nao se meter nos ESCOVAS mesmo.

Estou plenamente de acordo quando afirmas que, todos como cidadaos temos responsabilidades no processo governativo. Contudo, é util resalvarmos o facto de os governantes terem responsabilidade acrescida, sobretudo aqueles governantes que o sao por eleicao. Ou seja, os que se propuseram por livre vontade a conduzir os nossos destinos. Esses meu irmao, devem dar, MUITO GAS, para tornar realidade as suas promessas eleitoralistas, é simplesmente isso que eu gostaria de ver o presidente Nhancale a fazer. Exemplos de nao cumprimento as suas promessas sao muitos e excuso-me de enumera-los.

A questao do lixo, é um assunto serio. é que por uma questao de bom senso, nenhum governante devia se sentir tranquilo sabendo que anda a cobrar taxas por um serviço que nao providencia. isso é terrivel.

que há municipes que nao fazem a sua parte, é um facto e eu destaquei isso no post e reconheço que isso pode afectar o desepenho geral da nossa autarquia mas é também verdade, que os dirigentes da nossa matola precisam de se esforçar muito mais do que o fazem hoje.

Jorge Saiete disse...

meu caro anonimo,

tu dizes e passo a citar "Porque razão o cidadão de Guava, Mathlemele, Intaka, Singhatela,Magoanine etc continua a ACEITAR pagar a taxa de lixo se não recebe a contrapartida dessa taxa que é a recolha do lixo pelo Município? Porque razão não pedem, esses cidadãos, uma providencia cautelar para a interrupção do pagamento da taxa de lixo até que a recolha de lixo seja estendida aos seus bairros? O desconhecimento das leis e dos nossos direitos está a beneficiar os infractores: os Municípios que beneficiam do dinheiro que pagamos sem obtermos a contrapartida recolha de lixo nos nossos bairros".

A resposta é exactamente a que acabas colocando. quantas pessoas sabem que bicho é esse que se chama providencia cautelar, e como e a quantas se coze? poucos ou pouquissimos. heheheh, é facil governar cegos, maquiavel já o disse a muitos anos.

volte sempre

F. Maguezi disse...

Amigo Jorge, Não sou jurista por isso, no meu blog que começa a dar passos HOJE, coloco aos juristas a questão de saber: Que mecanismos legais estão postos ao dispor dos cidadãos para impugnar a cobrança de uma taxa sem o correspondente benefício? Podem os cidadãos individual ou colectivamente impugnar a taxa de lixo com fundamento na falta (não na deficiente) de prestação do serviço correspondente?
Numa pesquisa que fiz, encontrei seu ponto de vista sobre esta questão da taxa de lixo no Ideias Subversivas embora a discussão ai fosse noutro sentido. Vamos lá despertar a nossa cidadania. Vamos lá investigar e informar, mesmo que nos chamem agitadores.

Jorge Saiete disse...

Maguezi, diz "Vamos lá despertar a nossa cidadania. Vamos lá investigar e informar, mesmo que nos chamem agitadores".

Gostei desta, mas note que ninguem nos chamará de agitadores. mesmo que nao pareça, as pessoas já começam a perceber que nada resta senao apreender a viver com diferenças.
Abraço mano, volte sempre

Chacate disse...

He Saiete!... Wa kala pa!

Comé ja mudou BI, Passaporte, Carta de condução, matrícula etc? heheheh...

Mutisse,

Na Matola parece que há quem não assume sua responsabilidade. Aqui falhamos mesmo.

O problema é que nós queremos o que não temos o que temos deixamos de fora!e tudo fica em projectos.

Vamos ver no momento do Balanço? não me venha dizer que electrifoco ou montou água nem que recuperou estrada porque tudo isto é do governo central. do seu lado até agora ainda não vi nada nada nada nada mesmo!!!

Swini tingana ( é vergonhoso)

Jorge Saiete disse...

Nzi kona Chacate, wo wani 2M?
ja mudei carta de conduçao e BI mas os 3 kg para mudar passaporte ainda nao apareceram e pior para a matricula. Nzi khaulile, heheheh