terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Family director

NO COMMENT

10 comentários:

Anónimo disse...

É triste, mas é a realidade. Sao questoes culturais que estao em jogo. Seguramente a esposa tenha preparado uma galinha para a refeição. Lembre-se que em Africa em particula moçambique e em especial na zona sul do save, o que representa uma galinha pra um homem é a *Moela* e outras partes secundarias que de nenhuma forma a esposa bem como as crinças devem comer.
Para mim, esta foto revela isso mesmo, a escolha das partes que ele mais gosta e lhe dignificam como homem que preserva a cultura dos antepassados.
Em suma, sao ovos, a cabeça de cabrito, os rins de todo tipo de animais, as tripas em forma de circulo no cabrito que em xitswa chamam de XIRENZELEKWANE,essas sao as partes destinadas so e exclusivamente para o homem. Até onde vamos chegar com isso?
Eu sou homem, mas essas partes como com toda minha familia porque para mim tudo é carne.
Aquele abraço.

Horácio Zunguza

Chacate disse...

Sinto um pouco de pessimismo no seu comentário Zunguza!...

Quem disse que este homem não quer comer com a família dele? conta opratos.

Que coisa! você não seleciona a parte que gosta na sua mesa de Pau preto ou de vidro? aqui não há essa possibilidade porque a baby é que faz. No entanto pode o homem indicar a parte que gostaria ném!?

Va kithi weeee........... hehehehe

Julio Mutisse disse...

O homem pode até estar a dizer: "sirva mais comida neste prato da criança" ou "sirva mais comida neste prato que é seu amor" ou a contabilizar pratos para ver se falta algum.

Eu não sou tão ostensivo assim mas conto os pratos hehehehe

Jorge Saiete disse...

Horacio, ãssino por baixo. O director estás a ajudar a sua querida a localizar a gostosa nguinguiya, hehehe. Assumamos que a esposa seja cega

Jorge Saiete disse...

Chacate, veja se não crias confusão com a minha cunhada lá em malhampswene, hein

A vida anima makweru. Viva o director

Jorge Saiete disse...

Há que ajudar a contar pratos Mutusse, só por uma questão de boas maneiras. Há que ajudar, porque um bom esposo ajuda, não é assim?

Mas si a noticia chegar a manjacaze, os velhos irão logo ao nhamussoro tentar neutralizar o xikwembo que estará a te induzir a tanto zelo

Chacate Joaquim disse...

O que te leva a essa Saiete?

O problema é que sinto que há uma tentativa de redicularizar todo o gesto africano! como se eles não se comportassem da mesma maneira! o que difere é o método mano...

Reflectindo disse...

Será que a mulher só sabe cozinhar e não sabe distribuir?

Eu prefiro não chamar isto de cultura africana ou moçambicana, mas cultura de poder, talvez aliada ao fraco poder económico. A galinha é luxo nessa família e nisso há que se ver quem é o mais poderoso, o mais chefe - o homem é o director e sempre ele foi nestas situações.


Apenas com uma imagem, Saiete trouxe aqui um tema sobre as questões de igualdade. Com este imagem estou pensando sobre a cultura de poder, em casa, no serviço, nos seminários, etc, etc. Olhemos por que acontece num lanche ou almoço organizado num seminário. Lá o prato do chefe grande é distinto. Isso acontece muitas vezes não porque não é possível que tudo seja por igual, mas porque a distinção pelo prato se julga importante...

Jorge Saiete disse...

Isso Chacate,
embora eu ache que, certas praticas temos que repensa-las. aquele abraço mano e boa semana laboral

Jorge Saiete disse...

Tanos sim reflectindo sobre um questão de poder. é que na nossa tradição quem manda é o homem e esse mandar, chega à panela "por extensão".

O chefe deve se destacar em tudo, incluindo no prato, como que a dizer, chefe é chefe em todas frentes