quinta-feira, 23 de abril de 2009

Quem salva a indústria avícola?

As televisões moçambicanas mostraram ontem, imagens chocantes de massacres de pintos na cidade de Maputo. Os pintos mortos de uma forma brutal eram aos milhares e segundo os criadores, o holoucausto ainda está a começar e temos que esperar mais carnificina dos pobres pintos. A justificação que nos é dada tem a ver com a inundação do mercado nacional com o frango barrato importado e isso provoca a falência dos avicultores nacionais, tudo porque eles não podem ombrear com os importadores. Diz-se que o frango importado chega a custar quase metade do preço do nacional e logicamente o consumidor moçambicano prefere o barrato embora se levante a questão da qualidade mas para muitos isso é conversa para outros planetas. Certamente que o avicultor nacional esta e continuará num beco sem saída se aqueles que fazem Políticas Públicas não se mexer. E muito se podia fazer para salvar não só o empresário avicultor como também os milhares de postos de trabalho que estão em risco e em cascata, milhares de familias que cairão na graça da pobreza que deviamos combater com o PARPA. Muitos governos quando se acham em situações como a que assistimos em Moçambique, lançam mão a obra e adoptam uma das tantas opções messiânicas para salvar as honras do covento. Governos, donde quando a chuva cai fica humidade no solo, perante uma crise dessas, oferecem beneficios fiscais aos empresários em risco ou subsidiam o empresario no que diz respeito aos custos operacionais e ainda adoptam medidas proteccionistas do mercado nacional. Tudo é feito para evitar que a crise se agudize. Muito é feito nesses países do Marte e nós o que faremos?

10 comentários:

Bayano Valy disse...

que políticas achas que o governo deve adoptar para salvar a tal indústria avicultora? deverá o consumidor pagar caro quando pode pagar barato? qual é o problema dos avicultores? será apenas o preço? a lógica económica é de que o negócio deve gerar o lucro, e se o negócio não tem vantagens competitivas, então que se pense noutras alternativas. para mim, não importa se o frango que como é sul-africano, brasileiro ou moçambicano. o que me interessa é que haja frango sempre que eu quiser.

Jorge Saiete disse...

Bayano meu brother, como vai? Olha, a abordagem que fazes me parece optima na perspectiva do consumidor mas acho que o Governo deve parar do cume e ver todo o panorama. há que olhar para a economia como um todo e procurar formas de dinamizar toda ela e não uma franja apenas. o governo pode fazer muita coisa. por exemplo se subsidiar ou reduzir os impostos pagos por empresarios desta area estará a ajuda-los a miminizar os custos operacionais e isso pode permitir que eles reduzam os preços dos seus produtos e quiça, melhor se posicionarem no mercado. todo o mundo faz isso e não seria uma invenção de moçambique. apenas uma opinião minha

SHIRANGANO disse...

Meu irmao, os tipos nao se mexem porque nao ha la um camarada a fazer esse tipo de negocio. Pobre avicultores!

Jorge Saiete disse...

é provavel, Shir. é bem provavel..
pelo menos tendo em conta o que assistimos...

Bayano Valy disse...

caro jorge,
vamos subsidiar a incompetência até quando? talvez devesse colocar a questão de uma outra forma: qual é a importância da indústria avícola nacional? se está de rastos como nos dizem, temos alguma obrigação em salvá-la? porquê é que temos essa obrigação? o que implica essa obrigação? o subsídio será permanente ou temporário? de onde virá o dinheiro para o subsídio?

posto isto, a indústria avícola pretende dar-nos a entender que o seu frango é melhor. se, de facto, o seu frango é melhor, não tem razões de se preocupar. o mercedes benz é caro mais quem tem dinheiro continua a comprar. eles sabem quem é o seu nicho. que estratégias de marketing têem os avicultores nacionais?

X!mb!t@nE disse...

Saiete, para mim, que nao vivi nos tempos de Hitler, aquele espectaculo foi atroz. Nem filmes de terror me horrorizaram tanto.

Nao importa as motivacoes dos avicultores e a postura nao tomada pelo Governo face a tal crise de mercado, aquelas pessoas deviam pagar com o coiro tamanha barbarie.

Ha muitas hipoteses para os tais avicultores e que esse mesmo Governo que se balda para eles pode pagar: que forneçam os frangos aos hospitais, orfanatos, instituiçoes de caridade.

Bolas, até os presos merecem comer frango que estao a dizimar como se de baratas se tratassem! Como se nao bastasse, nao ha nenhuma associaçao de defesa de animais para botar a boca no trombone. Estou profundamente chocada!!!

Anónimo disse...

Meus caros

Acho que falar de subsidios, facilidades para fazer negocio, isso deve ser papo dos empresarios, e eles nao devem se dar ao luxo de humilhar nos os pobres desta patria. Lembro que uma vez em 1994 no bairro de Hulene um criador perdeu os pintos em idade media devido o calor, ali ]e perto da lixeira mas ele preferiu vender a preco de banana para o povao, e estamos aqui vivinhos da silva, quer dizer isto que em algum momento esses AVICULTOres sem escrupulo deviam ser sensurados publicamente. Olha eu nao quero falar dos direitos comerciais que eles tem nao que nao sejam importantes mas acho que eles vassilaram desta vez. E os pintos mortos?

Nyikiwa disse...

Caros,

Ja manifestei minha posicao sobre o assunto no blogue do Bamo, mas nao posso ficar alheia ao debate que foi aqui gerado. Creio que nao devemos olhar para a questao meramente como consumidores, conforme propoe o Bayano, mas parece-me tratar-se de uma questao de desrespeito para com os pintos e tambem para com as pessoas que nada tem para comer. Se e que o frango nacional nao tem mercado, conforme avanca-se porque nao oferecer os pintos ou vende-los a preco de banana para pelo menos reaver o valor do emprestimo contraido junto a banca? E acho que nao e menos verdadeiro o posicionamento do Shir sobre o assunto.

Jorge Saiete disse...

Caros Xim, anonimo e Nyikiwa.
Concordo plenamente convosco, também acho k houve alguma avareza da parte dos avicultores. Certamente k em vez de dizimar os pintos podiam ter doado aos milhares de interessados.
e a atitude deles é deveras sensuravel mas isso não retira a responsabilidade do estado.

Chacate Joaquim disse...

Saiete meu irmão a verdade está nua há menos riscos de vida Humana revindicar um direito massacrando pintos do que desfilando como os madjermanes, trabalhadores do Estado nacional, manifestantes do dia 5 de Fevereiro de 2008 etc... Neste País a exigência de um direito só chantageando! ouviu o que diz o Ministério do Interior? "A família do baleiado só terá seus direitos ententando um acto administrativo acha que passa necessariamente? tendo em conta as obrigações que o governo tem perante o povo?

Bayano Valy,
É um sector que emprega gente que tem famílias, se podemos proteger 2M ou açucarreiras porque é que esta não pode? talves a resposta está em Shirangano... brother, nicho estratégia de Marketing só funciona quando as políticas estão bem definidas porque os custos de produção são proporcionais ao nível de desenvolvimento de cada país. Lourenço de Rosário já dizia isto numa palestra sobre desafios da integração regional que "integração é mais difícil quando nós mesmo ainda não estamos integrados em termos de políticas".

Ximbita, Nyinkiwa e anónimo,
Eu ví a entrevista do Orlando na TVM. a senhora dizia que já tentarão falar com a instituição de direito e nunca se escusarão a resolver nada!e olha, a maioria das empresas deste sector são de investimento nacional. a atitude destes é mesmo de chantagem para precionar a quem de direito a fazer algo! eu concordo. sem guerra não há paz nestes igoístas... abraços